Garanta altas produtividades com a análise foliar de nutrientes: adubação na hora certa e na quantidade certa

Práticas agrícolas que auxiliam na produção

Com o avanço das práticas de agricultura de precisão foi sendo possível atender demandas mais detalhadas dos cultivos. Uma dessas demandas é mensuração da defasagem nutricional diretamente das plantas durante o ciclo da cultura, em tempo de recuperá-la ainda no curso da safra, algo possível apenas com a análise foliar.

Nos sistemas agrícolas altamente tecnificados é essencial mensurar exatamente o quanto dos nutrientes fornecidos pela adubação foram de fato absorvidos pela cultura. Alguns fatores interferem nesta absorção, entre eles: variedades utilizadas, época de semeadura, fenômenos climáticos, composição física do solo, inclinação do relevo, pH do solo,

Fronteiras agrícolas comumente estão sujeitas a aplicações intensivas de fertilizantes para corrigir as limitações químicas do solo e repor nutrientes para manter níveis aceitáveis de produtividade. Portanto, monitorar a nutrição das plantas é essencial para o manejo apropriado da fertilização.

Produtores de soja do Brasil usam diferentes técnicas de nutrição de cultivos, tais como os tradicionais fertilizantes químicos de solo, nutrientes foliares e formulações de fertilizantes com liberação gradual, com monitoramento do estado nutricional por análise de tecido ou diagnose foliar.

As pesquisas mostram que as culturas possuem períodos de maior absorção dos nutrientes, formando janelas de absorção em que eles devem estar disponíveis na quantidade ideal e apenas a analise foliar de nutrientes permite saber exatamente a quantidade de nutrientes que deve ser acrescentada nestas janelas de maior absorção.

As etapas de maior exigência nutricional iniciam-se por volta dos 30 dias, em geral, se mantendo elevadas até a formação dos frutos. A translocação de nutrientes acumulados nas partes vegetativas para os grãos é intensa durante esta fase, diminuindo a demanda por nutrientes do solo pois são utilizados os nutrientes armazenados nas folhas. A maior taxa de absorção dos macronutrientes na soja, ocorre entre 39 a 58 dias, sendo que 50% do total de nutrientes já foi absorvido entre 20 e 39 dias.

O que é a análise nutricional dos tecidos vegetais?

Técnica quantitativa

laboratorista vendo uma amostra em um vidro
laboratorista vendo uma amostra em um vidro

A análise de tecidos vegetais é uma técnica quantitativa que permite determinar os teores totais de um elemento ou de suas frações, na planta inteira ou em um de seus órgãos.

Existem diferentes técnicas usadas para a diagnose da nutrição mineral em plantas. Elas apresentam representatividade, confiabilidade e formas de interpretação distintas.

Técnicas qualitativas e diagnose visual podem ser muito uteis para detectar um problema, mas quando o sintoma visual se torna perceptível, a redução na produtividade já foi provocada.

Por esta razão, são preferidas as técnicas quantitativas. Entre elas, a análise foliar é a mais importante.

Para que serve a analise nutricional foliar?

Identificação de danos para a produção

máquina de adubação em lavoura
máquina de adubação em lavoura

É uma técnica que permite a avaliação do estado nutricional da cultura, identificação de deficiências que provocam sintomas semelhantes dificultando ou impossibilitando a diagnose visual, avaliação da necessidade de adubos ou ajustes no programa de adubação. A análise foliar é o meio mais aconselhado para diagnose de micronutrientes.

A diagnose foliar foi desenvolvida para fornecer informações sobre o estado nutricional das plantas e servir de orientação para o manejo de nutrientes visando produtividades ótimas pelo fornecimento adequado nos minerais essenciais para o desenvolvimento dos cutivos: N, P, K, Ca, Mg, S, B, Cu, Fe, Mn, Mo e Zn.

Para os sistemas agrícolas, sua grande função é orientar com precisão a aplicação dos nutrientes para que estejam disponíveis na quantidade ideal e no momento ideal.

Diferenças entre as análises nutricionais foliares e via analise de solo

Qual o melhor método?

A análise de nutrientes do solo em associação com o sensoriamento remoto, tem sido o método mais utilizado para determinar a distribuição espacial da disponibilidade de nutrientes na lavoura fornecendo informação indireta sobre a disponibilidade deles para as plantas.

Já a análise de tecidos vegetais é uma medida direta, pois os resultados correspondem à quantidade de nutriente que a planta efetivamente absorveu.

A análise foliar não substitui a análise de solo e nem a adubação foliar substitui a adubação de base e cobertura no solo no sistema produtivo, sendo utilizadas como complemento ao manejo da fertilidade do solo.

A adubação foliar surge como uma alternativa de ajuste fino da adubação, trazendo resultados que podem representar incremento da produtividade e/ou teor nutricionais dos grãos ou sementes, especialmente quando relacionados aos micronutrientes.

A possibilidade de fazer ajustes na adubação com micronutrientes é essencial para o cultivo da soja. Esta cultura apresenta respostas positivas para adubação com micronutrientes, especialmente o Cobalto e o Molibdênio. O processo de Fixação biológica de nitrogênio (FBN) é totalmente afetado pelo teor de Molibdênio, sendo constituinte da enzima nitrogenase.

A FBN é responsável por reduzir o N2 atmosférico para NH3 a sua forma absorvível pelas plantas. Assim como o Molibdênio, o Cobalto também apresenta relação direta com a FBN, participando da síntese de cobamina e da leghemoglobina nos nódulos de fixação.

Existem diversos fatores que aumentam ou diminuem o aproveitamento de um nutriente fornecido pelo solo ou por um fertilizante e consequentemente sua concentração na folha.

Temos também que a produção da cultura é diretamente relacionada com a concentração de nutrientes nas folhas no momento de maior exigência nutricional.

Existem algumas limitações na técnica de analise foliar, tais como épocas de amostragem, metodologia de interpretação, contaminação da amostra, deficiências e excessos de nutrientes. Apesar disso, é uma das melhores ferramentas disponíveis para avaliar o estado nutricional de plantas e para orientar programas de adubação, em conjunto com os resultados da análise de análise de solo (Malavolta et al. 1997).

Análise Foliar de Nutrientes Solum

Laboratórios de ponta elaborado para atender as demandas da agricultura de precisão

laboratorista com amostras de análises foliares
laboratorista com amostras de análises foliares

Grandes diferenças nos resultados finais podem ser obtidas entre um laboratório e outro. Porém programas de garantira de qualidade que incluam o uso de Boas Práticas Laboratoriais e programas de Comparação Interlaboratorial contribuem para a homogeneização dos resultados dos laboratórios que os aderem.

Na Solum, as análises são realizadas em nosso laboratório de ponta elaborado para atender as demandas da agricultura de precisão. Além disso, o laboratório é acreditado a ISO 17025 o que garante ao nosso processo padrão de qualidade internacional. Os ensaios são operado por técnicos altamente capacitados utilizando os procedimentos mais precisos de determinação nutricional foliar.

Utilizamos a metodologia de analises determinada pela Esalq, uma instituição cientifica consagrada e referência na agricultura brasileira e mundial.

Análises de TECIDOS VEGETAIS (Folhas, Pecíolos, Frutos, Raízes etc)

 

Teores Totais:

-Macronutrientes (N, P, K, Ca, Mg, S)

-Micronutrientes (Fe, Mn, Cu, Zn, B)

-Completa (Macro + Micronutrientes )

 

-1elemento (N ou P ou S ou B)

-1 elemento (K ou Ca ou Mg ou Cu ou Fe ou Mn ou Zn )

-1elemento extra (Na)

-1elemento extra (Al ou Cl)

 

-Determinação de Molibdênio

-N-NO3- ou N-NH4+

 

a) Digestões: sulfúrica (N); nítrico-perclórica (P, K, Ca, Mg, S, Cu, Fe, Mn e Zn) e incineração (B); Determinações: titulometria (N, N-NO3- , N-NH4+ e Cl); colorimetria (P, B, Mo e Al); turbidimetria (S); fotometria de chama (K e Na); espectrofotometria de absorção atômica (Ca, Mg, Cu, Fe, Mn e Zn).

b) Unidades: Sistema Internacional de Unidades ( g kg-1 ou mg kg-1)

 Como é feita a amostragem para analise foliar?

 

Técnica de geoestatística

técnica recolhendo amostras foliares em campo
técnica recolhendo amostras foliares em campo

Devido a translocação de alguns nutrientes pela planta assim como a fixação de outros em determinadas partes, para cada cultura existe a folha mais adequada para que seja amostrada a quantidade de nutrientes nas plantas de determinada área.

A diagnose foliar exige um rigor na amostragem maior que o aceito na análise de solos: as chamadas classes de fertilidade de solo, isto é, faixas de variação no teor disponível consideradas “baixa”, “média” ou “alta”, admitem às vezes variações da ordem de 100% quando usadas na determinação das doses de adubos a usar.  Se é verdade que a folha é o órgão que reflete melhor o estado nutricional, não é qualquer folha que o faz: como regra colhe-se para análise folha recém-madura numa época dada da vida da planta.

A geoestatística é essencial no processo de determinação nutricional de lavouras sendo uma ferramenta essencial na descrição e quantificação da variabilidade espacial de fatores limitantes da alta produtividade.

tabela sobre cultua e tipos de folhas

Cuidados para Coleta de Folhas:

  • Dividir a propriedade em talhões, considerando a uniformidade de cada talhão.
  • Coletar as folhas conforme indicado na amostragem de folhas, acondicionando-as em sacos de papel limpos. Não utilizar sacos com contaminantes, como restos de planta, solo ou outros produtos, que poderão interferir na análise. Anotar as informações do talhão no saco de papel.
  • Não coletar folhas danificadas por insetos, nem folhas com manchas ou aspecto anormal, a não ser que a possível causa dessa anormalidade seja de origem nutricional. Neste caso, coletar separadamente folhas de área consideradas normais e anormais e anotar essa informação no saco de papel.
  • Caso sejam coletadas folhas que tenham recebido aplicação de adubo foliar ou defensivos, informar a data de aplicação, o tipo de produto e a dosagem, ou qualquer outra informação que julgar necessário. Essas observações possibilitarão evitar desvios de interpretação e melhorar o nível de entendimento dos resultados.
  • Enviar as folhas o mais rápido possível para um laboratório de sua confiança. Não sendo possível, secar as folhas à sombra e posteriormente enviar para o laboratório.

Como são interpretados os resultados das analises foliares?

Interpretação de resultados

manipulação de químicos para análise de amostra
manipulação de químicos para análise de amostra

O princípio da diagnose foliar é comparar a concentração de nutrientes nas folhas com valores padrões correspondentes às variedades ou espécies de alta produtividade e com desenvolvimento vegetativo adequado.

Para a interpretação dos resultados pode-se utilizar a metodologia das faixas de suficiência, com a utilização comparativa de tabelas de concentração de nutrientes em que é possível identificar os nutrientes que podem afetar o rendimento das culturas, sem, contudo, estabelecer o grau de comprometimento dos nutrientes na nutrição da soja e seu efeito na produtividade.

A diagnose foliar também pode ser realizada comparando-se as relações entre pares de nutrientes da amostra com as relações determinadas em uma população padrão, através do Sistema Integrado de Diagnose e Recomendação (DRIS).

Dessa forma, é possível identificar os efeitos individuais dos nutrientes e também o balanço nutricional através de uma escala contínua, e classificar a ordem de limitação da produtividade de cada nutriente.

Este método se originou do conceito de nível crítico, que se refere a porcentagem de um elemento, na folha, abaixo da qual sua aplicação na forma de fertilizante mineral tem alta probabilidade de aumentar a produção. O nível crítico também pode ser definido como a concentração necessária desse nutriente para a obtenção de crescimento, produção ou qualidade “ótimas”, assumindo-se que nenhum outro fator seja limitante.

O “ótimo” é definido como o teor de um nutriente no vegetal necessário para se ter 90 ou 95% do crescimento, da produção, ou da qualidade máxima”, ou como a “concentração de nutrientes na qual o crescimento da planta começa a declinar”, ou ainda “o menor teor de um nutriente associado com a maior produção”.

Na Solum somos especialistas em análises agronômicas

Fale agora mesmo com nossos consultores.

Consultoria on-line

Leave a Reply