Os fertilizantes são elementos minerais ou orgânicos, naturais ou não, que fornecem um ou vários nutrientes que são importantes para um bom desenvolvimento das plantas. Eles são divididos em macro e micronutrientes, os macronutrientes são exigidos em grandes quantidades pelas plantas, e são eles: nitrogênio, fósforo, potássio, cálcio, magnésio, enxofre. Já os micronutrientes são exigidos em menores quantidades pelas as plantas, são eles: cloro, manganês, boro, zinco, ferro, cobre, níquel, molibdênio e cobalto.

A adubação é uma prática importante no manejo nutricional das plantas, pois favorece a renovação de tecidos radiculares e foliares, também auxiliam na resistência de pragas e doenças, mas, é importante ter certos cuidados para evitar uma adubação em excesso, pois pode ser tão danoso quanto a falta deles.

A relação entre os níveis de produtividade da lavoura e a fertilidade do solo estão totalmente ligados ao equilíbrio entre diversos fatores. E esse equilíbrio é o que tem sido buscado pelo produtor.

Para esse equilíbrio ser alcançado é importante lembrar da Lei do mínimo, que diz que o crescimento da planta é limitado pelo o nutriente que está indisponível, por esse motivo é necessário a disponibilidade de todos os nutrientes nas quantidades certas.

Os nutrientes para as plantas podem ser oferecidos por diferentes tipos de fertilizantes, sendo eles minerais e orgânicos.

Classificação dos fertilizantes

Os minerais são classificados de acordo com sua composição química, de acordo com o nutriente mais considerável na sua composição, são divididos em:

  • Nitrogenados: ricos em nitrogênio;
  • Potássicos: ricos em potássio;
  • Mistos: contém mais de um nutriente em grande quantidade na sua composição;
  • Corretivos: são utilizados para corrigir a acidez do solo.
  • Melhoria na estrutura do solo;
  • Melhor capacidade de retenção de água;
  • Ajuda na variação de temperatura.

Os fertilizantes orgânicos são elementos que precisam passar por transformações de decomposição e mineralização, como restos vegetais e dejetos de animais, assim eles ficam disponíveis para serem absorvidos pelas plantas.

O processo de absorção dos fertilizantes orgânicos é mais lento comparando com os químicos, mas, os orgânicos possibilitam o desenvolvimento dos microrganismos do solo, além de melhorar as condições físicas dele. 

Eles podem ser líquidos ou sólidos, sua aplicação no solo é em forma de húmus, que é uma substância constituída por matéria orgânica em decomposição, esse método de aplicação pode contribuir com várias propriedades químicas e físicas do solo, entre elas:

Os tipos de fertilizantes orgânicos são:

Orgânicos simples: são aqueles obtidos a partir do material de decomposição vegetal e dejetos de animais;

Orgânicos mistos: são aqueles feitos a partir da mistura de dois ou mais compostos orgânicos simples;

Orgânicos compostos: são compostos obtidos de processos químicos, físicos ou bioquímicos, controlados ou não. Esses elementos possuem a capacidade de melhorar as propriedades dos fertilizantes;

Organominerais: são compostos formados a partir da mistura de fertilizantes orgânicos e minerais.

A aplicação dos fertilizantes de maneira ideal depende da necessidade nutricional da planta e de como está a disponibilidade de nutrientes do solo, então a base para uma adubação mais assertiva é uma análise de solo criteriosa. 

Leave a Reply