A observação dos sintomas de deficiências nutricionais nas plantas, como na cultura da soja, é uma ferramenta de diagnóstico importante. A restrição de um determinado nutriente nos seus processos metabólicos pode ser notada de diferentes maneiras, entre elas: atraso no desenvolvimento normal das plantas, clorose (amarelecimento), deformações e necrose (morte de tecido) das folhas. A intensidade destes sinais é proporcional ao nível de restrição dos elementos.

O que fazer quando observamos os sintomas de deficiência em soja?

Contudo, é importante ressaltar, que a não observação de sinais visuais não é garantia de uma nutrição adequada. Quando os sintomas são observados o nível de deficiência é grave e a produtividade potencial já foi comprometida. Outro ponto a ser levado em consideração, é que deficiências nutricionais mais leves podem passar desapercebidas aos olhos humanos. Para que isso seja evitado, é imprescindível uma avaliação do nível de fertilidade dos solos com antecedência suficiente para que as deficiências possam ser corrigidas. De maneira complementar, as análises foliares são exames que devem ser feitos para checar se as correções, adubações, tiveram êxito, e se a planta se encontra nutricionalmente equilibrada. Dessa forma, podemos oferecer melhores garantias para que o alto potencial genético das variedades de soja plantados possam ser expressos de maneira plena.

Iniciando o diagnóstico

Nutrição solo

Solum-lab-identificando-nutrientes-solo-desktop
Solum-lab-identificando-nutrientes-solo-mobile

Um aspecto interessante de se notar é a posição na planta em que os sintomas surgem. Em função da mobilidade dos nutrientes no floema (vasos condutores que transportam os nutrientes), podemos dividir didaticamente em duas categorias: 1- nutrientes imóveis e pouco móveis; 2 – nutrientes móveis. Abaixo pode-se observar um esquema dos principais nutrientes em que este raciocínio se aplica.

Solum-lab-soybean-3d-sintomas-folhas-01
Foto: Adaptado de Hum3D.

Destacamos aqui, os sintomas característicos mais comuns observados à campo.

Deficiência de Nitrogênio

Sintomas do Solo

O nitrogênio é demandado em grande quantidade pela cultura de soja. Esse elemento é proveniente do ar atmosférico, num belo exemplo de simbiose entre uma bactéria do gênero Rhizobium e a soja. Colônias destas bactérias infectam as raízes da soja formando nódulos onde é produzida uma enzima específica chamada nitrogenase, capaz de “quebrar” a tripla ligação covalente do N2 atmosférico. De um lado, o nitrogênio é fornecido para a planta, de outro, carboidratos fabricados pelas folhas são enviados aos nódulos garantidos sua energia vital. A esse processo deu-se o nome de Fixação Biológica do Nitrogênio (FBN).

Solum-lab-nodulo-raiz-soja-02
Nódulos em raíz de soja. Foto: iStock.
Solum-lab-nodulo-raiz-soja-cortados-03
Foto: Dirceu Gassen

A foto a cima mostra nódulos de soja cortados ao meio. Os dois superiores de tom mais esverdeado estão inativos, e os dois abaixo avermelhados estão ativos. Saber se os nódulos estão ativos ou inativos é essencial para a avaliação do estado nutricional da cultura da soja, principalmente no que se relaciona à suficiência ou não do nitrogênio na planta. A Falta de Co, afeta a regulação de oxigênio no interior dos nódulos o que pode ser uma das causas da cor esverdeada. Alagamento, seca, excesso de dias nublados, são outras possibilidades para estes sintomas.

A falta de uma boa nodulação, ou falha no funcionamento pleno destes nódulos, causa a deficiência de nitrogênio na planta, observada por um menor desenvolvimento das plantas, com diminuição de altura e uma clorose generalizada das plantas. Os principais fatores causadores são a ausência destas bactérias no solo, baixa disponibilidade de Co, Mo e Fe  para as plantas, e problemas relacionados aos inoculantes, tais como: transporte e armazenamento inadequado, produtos de baixa qualidade, uso de dose incorreta, processo de inoculação inadequado.

Solum-lab-lavoura-tom-verde-claro-e-escuro-04
Lavoura com um tom de verde mais claro (clorose) do lado direito da foto com deficiência de nitrogênio, e de tonalidade mais escura com plantas saudáveis do lado esquerdo. Foto: Dr. Stewart Duncan, Kansas State University.

Deficiência de fósforo

Estrutura genética das células

O fósforo está presente na estrutura genética das células, na formação do DNA e RNA. Além disso, é componente da molécula de ATP, responsável por proporcionar a energia aos processos metabólicos. Sua falta, ocasiona o nanismo das plantas, como observado na foto abaixo.

Solum-lab-canteiro-aplicacao-fosforo-05
Canteiro de demonstração com aplicação de fósforo à esquerda e sem aplicação de fósforo à direita. Foto: International Plant Nutrition Institute (IPNI) – IPNI Crop Nutrient Deficiency Image Collection, Luiz Antonia Zanao Junior.

Deficiência de potássio

Ativador Enzimático

O Potássio é um importante ativador enzimático. Ou seja, sem ele, muitas das reações químicas no interior da planta não acontecem. Além disso é um importante regulador da pressão osmótica celular, ou seja, possibilita a planta regular a quantidade de água dentro das células. Seus sintomas, geralmente, são visíveis nas folhas mais velhas, caracterizada por uma clorose que se inicia à partir dos bordos das folhas em sentido ao meio da mesma, podendo evoluir para necrose do tecido.

Solum-lab-soybean-deficiencia-potassio-06
Solum-lab-soybean-deficiencia-potassio-07
Foto: (Equerda) Ag-Professional. (Direita) Field Crop News.

Deficiência de boro

Deficiência do solo

Cerca de 80% dos solos brasileiros são deficientes em boro. Sua função nas plantas é estrutural, compondo a membrana e parede celulares. Sua mobilidade é muitíssimo baixa, por isso os sintomas de sua ausência se iniciam nas folhas mais novas.

Solum-lab-meristema-necrosado-08
Meristema necrosado devido à deficiência de boro. Foto: Nathan Slaton, University of Arkansas.
Solum-lab-deficiencia-boro-09
Fernando Dubou Hansel e Maurício Limberger de Oliveira TY  – 2015, Importância dos Micronutrientes na Cultura da Soja no Brasil.

Deficiência de manganês

Componente essencial de enzimas

O manganês é componente essencial de muitas enzimas, as quais influenciam todo o metabolismo das plantas. Atua diretamente na fotossíntese, na reserva energética, atua na imobilização de radicais livres, melhoram a tolerância às doenças por participar na síntese de lignina. Seus sintomas aparecem comumente nas folhas novas, caracterizado por uma clorose internerval, como vemos nas fotografias a seguir.

Solum-lab-folhas-soja-deficientes-Mn-10
Folhas de soja com adequado (A) e deficientes (B-C-D) teores de Mn (Foto de Ismail Cakmak)
Solum-lab-folhas-soja-deficientes-Mn-11
Deficiência de Mn: Ontario Ministry of Agriculture, Food and Rural Affairs

Deficiência de Fe

Nutriente importante para as plantas

O ferro é um nutriente envolvido em vários processos metabólicos fundamentais, tais como: fotossíntese, respiração, fixação do nitrogênio, síntese de DNA e hormônios. Devido sua baixa mobilidade na planta os sintomas de deficiência desse nutriente surgem nas folhas mais novas.

Como vimos, o Co é um elemento essencial para o bom funcionamento dos nódulos. No entanto, seu excesso pode induzir a deficiência de Fe. Geralmente isso ocorre no processo de tratamento de sementes, quando a homogeneização não é bem realizada.

Solum-lab-sintoma-deficiencia-Fe-12
Sintoma de deficiência de Fe em folhas novas.
Solum-lab-sintoma-deficiencia-Fe-13
Sintoma de deficiência de ferro pelo excesso de cobalto. Foto: Infoteca EMBRAPA

Deficiência de Ca

Nutriente importante para a parece celular

A função mais citada do cálcio é a de integrar a parede celular. Que sua carência impacta no crescimento meristemático, principalmente nas raízes. Ativa diversos sistemas enzimáticos, ajuda a equilibrar os ácidos orgânicos, atua como sinalizador hormonal. Como mencionado anteriormente, é muito pouco móvel na planta. Seus sintomas surgem nas folhas mais novas.

Solum-lab-folha-soja-deficiencia-calcio-14
Folha nova de soja com deficiência de cálcio. Foto International Plant Nutrition Institute (IPNI) – IPNI Crop Nutrient Deficiency Image Collection, T.L. Roberts, 2018.

As fotografias apresentadas neste texto podem sim auxiliar significativamente no correto diagnóstico. Mas, a experiência de um agrônomo capacitado é fundamental para um diagnóstico definitivo, assim como para recomendar as ações de manejo necessárias, levando em consideração fatores econômicos e ambientais.

Mesmo que os sintomas se revelem muito característicos, para um bom diagnóstico ainda há a necessidade de se levar em consideração o histórico de manejo, fazer as análises de folha e de solo.

Esperamos que este material seja muito útil para que sua lavoura esteja cada vez melhor nutrida e mantenha um alto teto produtivo.

Em caso de dúvidas, entre em contato conosco. Ficaremos muito felizes em poder ajudar.

Na Solum somos especialistas em análises agronômicas

Fale agora mesmo com nossos consultores.

Consultoria on-line

Leave a Reply